Maringá, 30 de Junho de 2015
Conceito Estofados COCAMAR
 
Untitled Document
15.08.2010
Empresários investem na criação de cobras venenosas
Na região de Maringá, um novo tipo de investimento começou a chamar a atenção de empresários: a criação de cobras venenosas.

De acordo com o técnico ambiental e especialista em répteis e anfíbios, Daniel Schimidt, na Cidade, há alguns empresários que já entraram com um projeto junto ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP), para iniciar a criação.

A produção de veneno de cobra possui diversas vantagens. “Precisamos diversificar a cultura e quebrar o tabu com relação ao animal. Além do baixo investimento, de R$ 3 mil a R$ 5 mil, há muitos iniciativas ligadas à área da tecnologia e de pesquisas científicas. O veneno está sendo muito utilizado em produtos cosméticos e, principalmente, o veneno da cobra jararaca é usado no tratamento da pressão alta e do câncer”, explicou o técnico ambiental.

O empresário pode começar a criação com cinco ou seis animais que geralmente são adquirido através de doações, por exemplo, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Em Maringá, haverá a criação de jararaca por ser um animal de fácil manejo e que pode ser encontrado rastejando por cima da terra, diferentemente da cobra coral que fica debaixo da terra.

A partir dos dois anos de idade, o veneno já poderá ser extraído do animal e a jararaca, por exemplo, pode viver de 20 a 30 anos. Em média, 30 jararacas fornecem uma grama de veneno que é comercializada por R$ 300. A extração é feita mensalmente ou a cada 40 dias.

Na opinião de Schimidt, é necessário as pessoas se organizarem e criem uma associação com alguma universidade que invista em um centro de pesquisa para analisar e fazer a secagem do veneno. “Sem isso, nós não poderemos fazer nada com o veneno se não houver testes que verifiquem a qualidade do que está sendo produzido.”

O autônomo, Marcos Carmona, é um dos empresários da Cidade que investirá na criação de jararacas em uma propriedade próximo do município de Floresta. “Comecei a pesquisar sobre o assunto, optei por investir em um ramo diferenciado que ainda não existe na Cidade e me chamou a atenção pelo baixo investimento. Fiz um curso no mês de maio deste ano, entrei com um projeto no IAP e aguardo a aprovação. Acredito que dentro de oito meses inicio a produção.” O veneno será comercializado em São Paulo e, para o futuro, Carmona já pensa na exportação do veneno.

De acordo com dados da Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental (Suderhsa), no Brasil, a cada ano, são registrados 100 mil acidentes com animais peçonhentos. Nesse sentido, o técnico ambiental ministrará um curso sobre manejo e prevenção de acidentes com animais peçonhentos a partir de setembro. O curso é voltado para empresas, associações e sindicatos.

Fabiane Giandotti
Foto: AJP
 
30.06.2015
Dilma diz que não respeita delatores
30.06.2015
Gugu sai do ar na Record
30.06.2015
Volta às aulas na UEM começa com protesto
30.06.2015
Ação Civil Pública contra Beto Richa e Fernando Francischini
29.06.2015
Cocamar preparada para o pico da colheita de milho
29.06.2015
Dilma encerra em Nova York Encontro sobre Investimentos no Brasil
29.06.2015
A volta do por cima do Verdão
29.06.2015
Dunga fica ou sai?
28.06.2015
Agência do Trabalhador tem vagas
28.06.2015
Atrações culturais neste domingo
28.06.2015
Atividades na UEM são retomadas
28.06.2015
Casamento coletivo em Maringá
28.06.2015
Interior puxou geração de emprego nos primeiros cinco meses
28.06.2015
Pai afirma à polícia que queimou recém-nascida por irritação
Della Pizza
RICCI SEMINOVOS
Casa e Escritório
Martiflex
Binho Importados
khouri imóveis
Ortoplus
MAPA - Venda de Ônibus
Oliver Media
Aplicativo TCCC
Montago Construtora
Rima